Uma das mudanças na cultura da música aponta para um deslocamento de investimentos dos formatos físicos para a experiência ao vivo. Em outras palavras, já que a compra de canções não é mais hábito do público (nem a principal maneira de se consumir música, como era no passado), os shows ampliaram sua importância na geração de renda. Já não é raro artistas distribuindo músicas gratuitamente, sabendo que isso desperta o interesse do público e cativa novos ouvintes, aumentando o público pagante em shows. Nesse cenário, surgem iniciativas que dialogam criativamente com as novas tecnologias digitais.

Crowdfunding

O crowdfunding é um recurso usado de muitas maneiras na realização de shows. No Rio de Janeiro, um dos projetos mais bem-sucedidos é o Queremos, que trouxe mais de 20 bandas internacionais para tocar na cidade. Neste modelo, a produção seleciona o artista, o local, a data e o montante que precisa ser arrecadado. Os investidores precisam comprar cotas durante um período até atingir o total pedido para garantir a realização do evento. Depois de confirmado, os ingressos são colocados à venda. Em muitos casos, o valor das cotas compradas no primeiro momento são devolvidas integralmente aos investidores iniciais, dependendo de quantos ingressos são vendidos na bilheteria.

Aproveitando também as facilidades da cultura digital, Kim Boekbinder fechou uma turnê inteira usando o Kickstarter.com, uma das primeiras e mais populares plataformas de crowdfunding do mundo. No site, a artista fez a pré-venda dos ingressos, garantindo que os shows realizados cobririam todos custos mínimos da turnê, evitando prejuízos – sempre um risco para músicos independentes.

Interação com os fãs

Já que na internet as interações entre bandas e fãs é mais direta, por que não recorrer ao público para decidir, por exemplo, as músicas do show? A banda The Rapture tem escolhido que canções executar no bis através das preferências dos fãs. No Brasil, a dupla Zezé Di Camargo e Luciano também teve a mesma ideia e escolhe as últimas músicas dos shows através de votações na internet.

Streaming

Outra oportunidade trazida pelas novas tecnologias é a transmissão dos shows via streaming, uma forma de levar a experiência “local” dos eventos para um público maior. Ontem, dia 11, o Twitter realizou o streaming do primeiro show através da plataforma. A apresentação do DJ Tiësto, promovida pela HP e pela Intel, ocorreu no Consumer Electronics Shows 2012. Além do próprio streaming de shows ser uma inovação em si, a natureza das redes sociais aumenta a visibilidade do evento, com o público compartilhando links e comentários entre seus contatos.

 

Fonte: Estrombo